Godzilla

Godzilla-2014

Gareth Edwards dirigiu um dos melhores filmes de monstro da atualidade, o ótimo e pouco visto Monstros. O cineasta então era a escolha perfeita para conduzir uma nova versão do monstro mais famoso do cinema. Mesmo não sendo incrível e dramático como o primeiro trailer anunciava, o Godzilla de Edwards é um acerto, e o diretor constrói um belo filme cheio de tensão, caos, destruição e desordem.

Edwards não poupa barulho. Godzilla tem terremotos, tsunamis, explosões e monstros gigantes brigando e destruindo cidades. O cineasta segue direitinho a cartilha dos filmes-catástrofe, trazendo drama, suspense, tensão e muitos efeitos. A balança, claro, pende para um lado. Apesar de o elenco (Juliette Binoche, Elizabeth Olsen, Bryan Cranston, Sally Hawkins, David Strathairn, Ken Watanabe e Aaron Taylor-Johnson) anunciar que a dramaticidade aqui poderia se sobressair, é a urgência que o cineasta imprime à produção que chama a atenção.

“Godzilla” demora um pouco a engrenar e traz todo aquele blábláblá científico que tenta dar coerência à coisa toda e pouco funciona na tela grande. Mas assim que somos apresentados aos personagens e à trama, o filme flui e vai crescendo em tensão. Interessa-nos menos o drama dos personagens (a maioria tem muito pouco a fazer em cena) e mais a forma como o cineasta filma seu espetáculo audiovisual.

E “Godzilla” é um belo espetáculo. Edwards confia nos efeitos especiais e não tem medo de mostrar seus monstros em detalhes. Ele também confia na ação que está construindo e não picota as cenas a ponto de deixá-las sempre incompreensíveis. Amparado por um belo trabalho de som, o diretor entrega um longa que demonstra certo apuro estético, e algumas cenas são de uma plasticidade e tensão que impressionam (a do trem na névoa e a dos paraquedistas saltando para uma missão impossível são as que se destacam).

Ao contrário da última produção hollywoodiana sobre o monstro, Godzilla aqui é um dos mocinhos do filme. A partir da premissa estabelecida pelo longa (Godzilla salva o mundo), Edwards tenta traçar paralelos entre o monstro e seu personagem principal (Aaron Taylor-Johnson), que segue trajetória parecida ao dos protagonistas de seu trabalho anterior. Ambos são colocados de forma involuntária em determinada situação e percorrem todo um trajeto de destruição até chegarem ao seu destino final (a diferença é que ,em “Godzilla”, Taylor-Johnson não é um mero observador da ação como o casal de “Monstros”).

Ainda que não seja o grande filme que todos esperavam, “Godzilla” é aquele tipo de produção que de certa forma redime os blockbusters e prova que explosões, efeitos especiais e muito barulho também podem combinar com bom cinema.

PS: A título de comparação, o filme funciona bem melhor que “Cloverfield”, “Super 8″ e “Círculo de Fogo”, exemplos recentes que se enquadram na categoria “monstros destruindo tudo”.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s