Pílulas Oscar 2013

 

814c2-django-unchained

Django Livre – O sucesso de crítica e público de Bastardos Inglórios não fez bem a Quentin Tarantino. Depois de toda ovação, o resultado é “Django Livre”, sua esperada incursão pelo mundo dos westerns. Vindo de Tarantino, ninguém esperava que “Django” fosse um faroeste tradicional, já que o cineasta segue uma proposta estética bem peculiar. Sendo assim, o novo trabalho do diretor é bem “tarantinesco”, seja subvertendo regras de um gênero ou lançando um olhar cômico sobre a violência. Mas, ainda assim, o filme é um dos seus trabalhos mais irregulares, e um dos problemas de “Django Livre” é certo exagero épico que não cola. Longo demais e, às vezes, mal amarrado, Tarantino pesa a mão e entrega um filme sem grandes cenas que só fica na memória graças a três ótimas interpretações: Christopher Waltz, Leonardo DiCaprio e Samuel L. Jackson. Nem mesmo a música chega a ser marcante e, apesar da boa trilha musical, a associação som e imagem é tão pálida e sem graça quanto a atuação de Jamie Foxx. A participação especial do diretor ao final do longa só comprova que o ego de Tarantino é tão inchado quanto à duração de “Django Livre”.

2dfed-the_master_paul_thomas_anderson-70

O Mestre – Depois dos ótimos “Boogie Nights” e “Magnólia”, Paul Thomas Anderson começou a trilhar um estilo narrativo, digamos, mais estranho. A comédia romântica “Embriagado de Amor” já mostra os primeiros passos do diretor em busca de um novo caminho para seu cinema. O elogiado “Sangue Negro” consolida essa mudança e, agora, “O Mestre” dá continuidade à empreitada. Dito isso, o novo trabalho de Anderson não é um filme fácil e se afasta mais ainda da narrativa clássica a que estamos acostumados. Acompanhado por uma fotografia impressionante e uma trilha musical que praticamente desconstrói as cenas, Anderson entrega uma obra poderosa, ainda que irregular. Dirigido com precisão pelo cineasta, a grande força de “O Mestre” são as interpretações de Joaquin Phoenix e Philip Seymour Hoffman, que entregam atuações complexas em um filme que clama por mais atenção e peca pela falta de um roteiro mais elaborado. Ainda assim, vale a pena ver o longa no cinema, nem que seja pela produção caprichadíssima ou mesmo pela pequena, mas marcante, atuação de Amy Adams.

SLP-Screencaps-silver-linings-playbook-35200507-1920-800

O Lado Bom da Vida – De modo bem exagerado, “O Lado Bom da Vida” é tipo uma mistura de “Um Estranho no Ninho” com alguma comédia romântica estrelada pela Meg Ryan (nos tempos áureos dela, claro). Pat e Tiffany passaram por momentos difíceis e iniciam uma amizade tendo como ponto em comum seus distúrbios psicológicos. Ela está realmente interessada nela; já ele quer a ex-mulher de volta e vê em Tiffany uma ponte de contato com esta. Os motivos da aproximação entre os dois são diferentes, mas a química é autêntica. E é graças a essa química entre as personagens (e os atores Bradley Cooper e Jennifer Lawrence) que essa comédia “água com açúcar” de David O´Russell foge do convencional, ainda que faça uso de basicamente todas as regras do gênero, com direito a rapaz correndo atrás da mocinha no final. Além das atuações e carisma de todo o elenco, destaca-se a edição que praticamente remete à bipolaridade do personagem de Cooper. Ainda que fluido, bem escrito e fácil de ver e gostar, “O Lado Bom da Vida” é apenas o “feel good movie” da vez. Não que isso seja um defeito.

 

 
 


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s