Pílulas

4af5d-abouttime-trailer-thumb-jpg_1634401

Questão de Tempo – A vida seria bem mais fácil se fosse igual ao novo trabalho de Richard Curtis: meio doce, meio melancólica e absolutamente sem conflitos. Essa é a sensação que o espectador fica ao final de “Questão de Tempo”. Nada realmente abala a vida de Tim (Domhnall Gleeson) depois que ele descobre que pode viajar no tempo. De cara, ele conquista a mulher dos seus sonhos (uma insossa Rachel McAdams), casa com ela, tem filhos e evita uma tragédia aqui e uma bobagem ali por causa de seus poderes. Depois de escrever os ótimos “Quatro Casamentos e um Funeral”, “Um Lugar Chamado Notting Hill”, os filmes da Bridget Jones e dirigir “Simplesmente Amor”, Richard Curtis opta pela zona de conforto nesse bonitinho novo trabalho. O filme passa leve e faz o espectador sorrir e se emocionar algumas vezes, mas a comédia romântica é embalada em tom pastel e carece de energia e charme graças a um roteiro acomodado e sem surpresas. Toda vez que algo insinua abalar o mundo de Tim, ele vai lá, volta no tempo e pronto. Tudo é muito fácil. Tudo é possível. Mas nada realmente empolga.

6e886-august-osage-county_bx_imagem-filmes_pi

Álbum de Família – Filmes sobre famílias disfuncionais não são novidades e são encontrados aos montes por aí (“As Filhas de Marvin”, “Terras Perdidas” são alguns exemplos). Esse novo exemplar do “gênero” chama a atenção logo de cara pelo desfile de rostos conhecidos e por ser uma adaptação de uma peça teatral ganhadora de vários prêmios. Mas tirando o pedigree do elenco e do texto, “Álbum de Família” deixa a desejar graças a uma direção pesada (de um tal de John Wells) e um roteiro burocrático (adaptado pelo próprio autor da peça). O longa em si é uma grande discussão entre todos os membros de uma família reunida após o sumiço do patriarca. Todos têm que lidar com algum segredo e convivem com dramas pessoais prestes a explodir na próxima mesa de jantar. Meryl Streep balbucia ofensas de um lado; Julia Roberts berra impropérios do outro. O espectador assiste a tudo de camarote, mas sem grandes interesses. O resultado é um trabalho que traz algumas cenas isoladas memoráveis em um conjunto mal amarrado e falho. Os atores estão bem, mas a produção grita pretensão, e todos interpretam demais personagens que poderiam ser gente como a gente se tudo não fosse tão planejado e ensaiado para soar importante, grave e solene.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s