Só Deus Perdoa

6ba89-only-god-forgives13-2

Depois de ganhar o prêmio de direção em Cannes por “Drive”, Nicolas Winding Refn achou que podia fazer qualquer coisa. O resultado é esse Só Deus Perdoa, um exercício de estilo vazio e violento que nunca diz a que veio. Repetindo praticamente tudo que deu certo em seu trabalho anterior (Ryan Gosling, a plasticidade exacerbada, a trilha sonora de Cliff Martinez), Refn filma com tanto esmero que transforma seu novo trabalho em uma obra pretensiosa, fria, calculista e que nunca desperta nada, a não ser tédio.

O mote da produção é a boa e a velha vingança. Mas não espere nenhum “Kill Bill”, já que Refn está longe de ser um Tarantino. Aliás, um dos problemas de “Só Deus Perdoa” é a falta de humor. Se em “Drive”, o cineasta dinamarquês usava sua cartilha de recursos estilísticos para dialogar com a nostalgia e o cinema de gênero, aqui ele parece pouco se importar com o desenvolvimento da história ou mesmo dos personagens (ainda que a ambientação em Bangkok flerte com o cinema de luta). Em “Só Deus Perdoa”, o estilo parece estar acima de tudo. Até mesmo de Ryan Gosling, que repete o tipo silencioso de “Drive” (sem o mesmo carisma) e passa o longa quase inteiro despercebido, com um ar de atormentado que pouco se justifica.

Only-God-Forgives-Krystal

Outra questão que incomoda é que tudo em “Só Deus Perdoa” parece querer ter um significado. Refn inunda o filme de vermelho, seja de luzes ou de sangue, e cria belas composições que realmente enchem os olhos, mesmo apelando para o grotesco e a violência. Ele aposta também em câmeras que passeiam lentamente pelos cenários ou reforçam a movimentação pausada dos personagens (todos praticamente desfilam em cena e supervalorizam qualquer gesto). Pra quê? Muito provavelmente para dar sentido a coisas e ações banais que nada acrescentam à trama mal amarrada.

O filme ganha algum respiro e inspiração na atuação de Kristin Scott Thomas. Ainda que a interpretação da atriz pareça ser extremamente calculada e combine com a proposta pomposa do longa, é ela que empresta alguma coerência a uma produção apenas interessada em gritar autoralidade. Em um filme sem heróis ou vilões, Nicolas Winding Refn e seu super estilo são os principais responsáveis pelo esvaziamento narrativo de um longa feito apenas para ser belo.

PS: Queria muito ter visto o filme nos cinemas, porque, apesar de ser ruim, a tela grande realmente parece ser a melhor formato para apreciá-lo. O filme, porém, não parece que vai estrear por aqui nunca.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s