Wild/Tracks

wild

À primeira vista, “Wild” e “Tracks” são filmes bem parecidos: ambos são sobre mulheres que, por razões diferentes, decidem fazer trilhas sozinhas. Os dois também são inspirados em histórias reais que viraram livros e terminam apresentando fotos das personagens reais. Mas, mesmo tendo propostas semelhantes e reforçando a ideia de que o percurso, muitas vezes, é mais importante do que o destino, esses dois “foot movies” são produções bem distintas. “Wild” (traduzido como “Livre”) segue uma linha mais convencional e hollywoodiana, enquanto “Tracks” (ainda sem tradução para o português) é mais contemplativo e melancólico.

Em Wild, Reese Witherspoon vive uma mulher em conflito consigo mesma que decide fazer uma trilha chamada Pacific Crest, com mais de mil milhas de distância e que dura, em média, três meses. Dirigido por Jean-Marc Vallée (“Clube de Compras Dallas), o longa é redondinho e consegue sobreviver mesmo com o tom um tanto auto-ajuda do roteiro (de Nick Hornby) e da direção que pende para o edificante. Recheado de flashbacks que mostram as razões da moça ter decidido encarar o desafio da trilha, “Wild” é daquele tipo de produção fácil de assistir. A edição e a estrutura narrativa são eficientes e evitam que o filme vire um grande tédio, um mérito se pensarmos que grande parte da trama gira em torno de uma pessoa.

A atuação de Reese Whiterspoon também contribui para essa sensação. Boa atriz, ainda que sua filmografia deponha contra ela, Reese preenche a tela com uma interpretação carismática e que ajuda o espectador a superar as partes clichês da obra (o uso demasiado de flashbacks, a tal da raposa que aparece aqui e acolá, os dizeres que marcam a chegada às novas paradas etc). O uso interessante da narração em off, pouco presente e em uma chave na qual a personagem parece estar falando com ela mesmo e não contanto uma história para outros, faz com que “Wild” siga o tom de superação de um “127 Horas”, por exemplo.

Tracks-Poster-slice

Tracks segue outra direção. Mesmo com flashbacks (bem menos em comparação a “Wild”) e com uma narração em off mais convencional, o filme de John Curran (“O Despertar de uma Paixão”) parece menos interessado nas ações que movem a personagem e em sua redenção. Adotando um olhar mais contemplativo e um ritmo mais lento, o longa de Curran é mais delicado e honesto, e a personagem de Mia Wasikoska (em uma atuação comovente), mais espontânea. Com apenas quatro camelos e um cachorro, Robyn decide atravessar um deserto na Austrália e passa seis meses como andarilha, encontrando-se de tempos em tempos com um repórter fotográfico que registra sua viagem para National Geographic (Adam Driver).

Robyn não é muito chegada a pessoas e deixa isso claro ao fotógrafo desde o princípio. Ela também não busca a superação ou mesmo a redenção em relação a algo de seu passado. A escolha de Curran de não se prender a motivos é acertada, e o filme ganha em originalidade ao apenas sugerir o que move Robyn, retratada como um aventureira (que, assim como a Cheryl, de “Wild”, tenho um histórico trágico com a mãe).

“Tracks” é ainda lindo de se ver. Ao apostar em uma narrativa mais visual, o longa tem nas imagens uma de sua forças. Ora adotando planos mais abertos e que mostram a pequenez da personagem diante da grandiosidade do deserto, ora centrando a câmera nas expressões de Robyn, Curran investe na melancolia e entrega um filme que vai conquistando aos poucos e parece bem menos “fabricado” do que “Wild”. Mas ambos têm seu valor ao mostrar como somos afetados ou afetamos pessoas que nem ao menos fazem parte de nossas vidas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s