A Teoria de Tudo

theory2

A Teoria de Tudo segue um caminho bem tradicional de filmes que misturam biografia e drama para contar a história de pessoas que superaram algum tipo de doença. Caminho esse já trilhado por produções como “Meu Pé Esquerdo”, “Uma Mente Brilhante”, “Mar Adentro”, “As Sessões” e tantas outras.

No caso do longa de James Marsh (documentarista realizador do ótimo “O Equilibrista”), no entanto, isso não chega a ser um demérito. “A Teoria de Tudo” é, sim, um filme bastante convencional e que não foge muito do que se espera de uma produção que conta uma história real. Temos, aqui, um drama edificante, inspirador e com direito à redenção, tudo como manda o figurino.

Mas Marsh consegue, mesmo sem subverter regras, criar um filme envolvente e emocionante. Parte do sucesso do longa, claro, é da própria história do físico Stephen Hawking, que, contra todos os prognósticos, conseguiu vencer uma doença degenerativa avassaladora e está vivo até hoje. Marsh, porém, dirige de modo elegante e evita ao máximo o pieguismo, ainda que “A Teoria de Tudo” seja um daqueles filmes ótimos para quem gosta de chorar no cinema.

Marsh aposta em um olhar mais estético, enchendo a produção com filtros para acentuar a fotografia e câmeras lentas que dão ao longa uma abordagem mais sensorial. Nesse ponto, “A Teoria de Tudo” segue a mesma linha de “O Escafandro e a Borboleta”, outra produção que tenta usar os recursos do cinema para contar uma história sob o ponto de vista do doente.

Além da história, que se divide entre mostrar a luta de Stephen contra a doença, seus feitos acadêmicos e sua relação com a esposa, e do olhar sensível de Marsh, “A Teoria de Tudo” ainda traz uma química comovente entre Eddie Redmayne e Felicity Jones (ambos indicados ao Oscar esse ano).

Há pelos menos duas grandes cenas em que os dois atuam juntos e que justificam os elogios às suas interpretações: quando ela percebe a doença dele em um jogo de croquet e, já no final do longa, quando o casal se separa. Mesmo com a precisão da transformação física do ator, é por meio do olhar e do choro dos dois que o filme ganha em emoção.

E é essa emoção genuína que consegue salvar “A Teoria de Tudo” dos tempos-mortos. O filme demora a acontecer. A edição, às vezes, se perde em um ritmo mais lento. Alguns atores não têm muito o que fazer (Emily Watson mal aparece em cena). Mas esses são apenas pequenos percalços de um longa que conquista mesmo não sendo perfeito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s