Vício Inerente

inherentvice

Saudade de quando Paul Thomas Anderson dirigia clássicos como “Boogie Nights” e “Magnólia”. Desde de “Embriago de Amor”, o diretor abandonou as narrativas em módulo colcha de retalhos e começou a experimentar um cinema menos convencional e mais sensorial e imagético. O resultado são filme bem irregulares, frios e distantes, interessantes em partes, um tanto frustrantes em seu todo (“Sangue Negro” sendo a única exceção).

“Vício Inerente”, novo trabalho do diretor, tenta de alguma forma unir essas duas formas de cinema presentes na obra de Anderson. Temos um elenco enorme que cruza o caminho do detetive particular Doc (Joaquin Phoenix) perdido em um fiapo de história que dá continuidade às experimentações do cineasta.

Baseado na obra homônima de Thomas Pynchon, Vício Inerente é uma grande bagunça. Personagens vão e vem sem muito sentido e falam coisas mais sem sentido ainda. Não li o livro, mas, enquanto filme, a história do detetive que se vê metido em um rolo de desaparecimento, espionagem e tráfico de drogas graças a uma ex-namorada nunca decola.

As razões são várias. Primeiro, Paul Thomas Anderson deixa claro que não está interessado em dar um sentido à coisa toda, tentando emular de certa forma a eterna viagem e o estado letárgico do protagonista. Daí temos cenas e mais cenas desconexas que mais parecem fazer parte das alucinações do detetive em um filme noir às avessas.

A questão é que nem em sua melhor forma Anderson parece estar. Mesmo sendo filmes imperfeitos, “Embriagado de Amor” e “O Mestre”, por exemplo, apelavam para as imagens ou para a construção de certas cenas para atrair a atenção do espectador. Em “Vício Inerente”, o público é abandonado à própria sorte em quase 2h30 de longa.

Anderson exagera nos closes e raras cenas conseguem chamar a atenção audiovisualmente. A trilha sonora é interessante, seguindo a mesma linha dos últimos trabalhos de Anderson em parceria com Jonny Greenwood, músico do Radiohead. Mas só mesmo a atuação de Joaquin Phoenix consegue servir de elo entre o público e a excentricidade exacerbada do filme.

No final das contas, a produção é uma viagem longa, arrastada e chata, de longe o pior trabalho de Paul Thomas Anderson. Sim, mesmo gênios fazem filmes ruins. “Vício Inerente” está aí para provar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s