Alien: Covenant

É triste ver que Hollywood realmente não tem nenhum apego pelos universos que cria. Já tivemos várias provas disso, e o novo Alien: Covenant, que tenta ao máximo fazer a ligação entre “Prometheus” e os filmes da série “Alien”, é apenas mais um exemplo.

Dirigido pelo mesmo Ridley Scott do clássico “Alien, o 8º. Passageiro” e do genérico “Prometheus”, “Alien: Covenant” é um mero pastiche da própria série, trazendo apenas um aspecto novo para a mitologia criada por Scott e desenvolvida por James Cameron, David Fincher e Jean-Pierre Jeunet (diretores das sequências): explicar tim-tim por tim-tim a origem do monstro clássico.

Aí reside o principal problema de “Alien: Covenant”: explicar o que não precisa ser explicado. E Ridley Scott ainda faz isso da forma mais didática possível, batendo na mesma tecla repetidas várias vezes para deixar bem claro a sua “ideia de origem”. O resultado é uma grande fissura na já esquizofrênica mitologia da série.

Aliada à trama desrespeitosa, o filme ainda replica um dos grandes defeitos de todas as produções que tentaram imitar a estrutura narrativa da série. A atmosfera climática é trocada pelo ritmo acelerado, explosões e sopapos; e os personagens interessantes e carismáticos são substituídos por zé-ninguéns que estão ali apenas para morrer.

“Alien: Covenant” é então uma síntese de uma série que tem altos e baixos, momentos geniais e outros decepcionantes, principalmente no episódio “Alien: A Ressureição”. O novo filme repete assim a mesma estrutura narrativa do primeiro, mas sem a atmosfera exasperante, e “pega emprestada” várias ideias e situações já apresentadas nos capítulos anteriores.

 

Tudo, claro, é entregue com a competência habitual hollywoodiana. Ridley Scott, que é um puta esteta, esmera-se na direção de arte de cair o queixo e consegue construir cenas ora tensas, ora visualmente bonitas. Mas estética não é tudo (que o diga “Prometheus”, visualmente muito mais bonito do que esse aqui, aliás), e todas as boas e más intenções do diretor são arruinadas por um roteiro capenga que transforma vários cientistas em personagens completamente burros e descartáveis. Nem mesmo os temas que ele quer abordar são desenvolvidos: o fato da tripulação da nave ser composta somente por casais e a boa e velha discussão “ciência x fé”.

Ainda assim o longa é assistível e traz pelo menos uma boa atuação, a de Michael Fassbander, o único ator que parece interessado em dar alguma dimensão aos personagens que interpreta, os sintéticos David e Walter (a melhor cena do longa é um diálogo entre os dois; e a pior é os dois brigando como se estivessem em um filme de luta).

Já a personagem de Katherine Waterston consegue ser ainda mais fraca do que a de Noomi Rapace, heroína de “Prometheus”. Tentar compará-la então à icônica tenente Ripley de Sigourney Weaver é uma vergonha…

Enfim, com uma continuação desse aqui já planejada e mais uma sequência protagonizada por Ripley/Weaver também nos planos, Hollywood pode respirar aliviada porque ainda tem muito para errar em uma série que merecia mais respeito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s