O Homem do Norte

Robert Eggers já havia demonstrado seu potencial estético para criar imagens impactantes em “A Bruxa” e “O Farol”, mas o cineasta leva essa habilidade às últimas consequências em “O Homem do Norte”. Usando uma escala mais épica, o diretor visita o universo dos Vikings em uma mistura de batalhas sangrentas, rituais religiosos e uma encenação teatral.

Acompanhe Esse Filme que Passou Foi Bom também no Instagram

Dessa mistura inusitada resulta um filme estranho, visualmente marcante e cheio de cenas que exacerbam plasticidade, mas que peca pela abordagem um tanto fria e distante. Alexander Skarsgård urra e mata sem piedade, mas a mise-en-scène é tão ensaiada e teatral que a força da trama é atropelada pela beleza das imagens e pela lentidão da narrativa.

Se no campo visual o longa é um desbunde, em termos de trama, “O Homem do Norte” decepciona um pouco, deixando de lado um pouco da ousadia narrativa de Eggers para focar em uma história de vingança que, se não é repetitiva, não oferece nada de muito novo. Até a própria reviravolta, que muda toda a perspectiva do protagonista sobre sua vida, é fácil de antecipar.

Em “O Homem do Norte”, Alexander Skarsgård vive um homem marcado por um passado sangrento e que jura vingança pela morte do seu pai. Depois de mais uma batalha violenta, o personagem presencia uma visão (Bjork em uma participação bem pequena) e decide encarar sua sina, abandonando mais uma vez sua vida para reencontrar o algoz de seu pai.

Depois de um prólogo em que Robert Eggers parece emular Shakespeare, “O Homem do Norte” dá uma virada. Mas não o suficiente para que o diretor deixe de lado o apego aos rituais (que soam mais risíveis do que amedrontadores) e uma certa abordagem new age da trama (algumas cenas, por exemplo, lembram as partes mais cafonas de “A Fonte da Vida”, de Darren Aronofsky).

Em meio a uma narrativa pesada e pretensiosa e um banho de violência que chega a incomodar, “O Homem do Norte” ganha pelo elenco, ainda que parte dele tenha muito pouco a fazer. Ethan Hawke, Willem Dafoe e Bjork mal aparecem. A própria Nicole Kidman, interpretando a mãe de Alexander Skarsgård tem uma participação pequena, ainda que marcante. Enquanto Anya Taylor-Joy tem um registro maior (e clichê), o filme pertence mesmo a Skarsgård e a seu antagonista vivido por Claes Bang.

Para saber onde ver os filmes, pesquise no JustWatch

No geral, comparado aos outros trabalhos do diretor, “O Homem do Norte” ganha em escala, mas perde em originalidade, o que não deixa de ser um tanto decepcionante, principalmente em virtude das expectativas geradas pelo diretor e elenco. Ainda assim, é louvável que Robert Eggers entregue um filme sem muitas concessões. Em tempos de produções cada vez mais formulaicas, previsíveis e bobas, “O Homem do Norte” é um longa que demanda atenção e estômago de seu público, que é brindado com uma luta final entre dois guerreiros pelados em meio a chamas e lavas. Poucos filmes hoje em dia seriam capazes de tal ousadia.

Leia mais:
A Tragédia de MacBeth
A crônica francesa
A pior pessoa do mundo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s