Judas e o Messias Negro

Falta um pouco de energia e ousadia a esse filme que retrata o assassinato de um dos líderes dos Panteras Negras no final da década de 1960. Dirigido de forma correta e com um certo senso estético por Shaka King, “Judas e o Messias Negro” narra de forma bem convencional a trajetória do ativista Fred Hampton dentro do partido a partir do ponto de vista de um infiltrado do FBI (vivido por LaKeith Stanfield).

Apesar de bem-feita, a produção não tem o impacto que a história pede e falta tensão e mesmo carga dramática à trama. Quando o longa chega ao fim da forma mais anticlimática possível, resta ao espectador apreciar as belas atuações do elenco, em especial um Daniel Kaluuya (“Corra!”) que concentra todo o vigor que o filme a sua volta não tem.

“Judas e o Messias Negro” está cotado para concorrer em algumas categorias do Oscar, como ator coadjuvante (Daniel Kaluuya), fotografia e roteiro original, entre outras.

Leia também:
Nomadland

Relatos do Mundo
Mank

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s