Love – A história de Lisey

Definitivamente, a Julianne Moore não tem sorte com tramas fantásticas. Praticamente todos os suspenses, filmes de terror ou fantasia protagonizados pela atriz são de qualidade duvidosa, de “Hannibal” ao “O Sétimo Filho”, do remake de “Carrie, a Estranha” ao suspense “Os Esquecidos”.

Infelizmente, a minissérie “Lisey’s Story” segue esse triste caminho de produções fantásticas estreladas pela atriz que morrem na praia. Baseada na obra de Stephen King, a produção original da Apple é confusa e não chega a lugar nenhum.

Leia também: Julianne Moore: 60 anos em 6 filmes

Dirigida pelo renomado chileno Pablo Larraín (“No” e “Jackie”), a minissérie nunca desenvolve os temas propostos (memória, trauma infantil) ou mesmo tenta explicar a trama editada de forma estilhaçada que vai e volta entre passado e presente e realidade e um mundo alternativo criado/descoberto pelo escritor vivido por Clive Owen (vivendo de forma apática uma espécie de alter ego de Stephen King). O resultado não é apenas uma bagunça como também desinteressante.

Julianne Moore vive a esposa desse renomado escritor que é perseguida e chantageada por um fã lunático do autor, assassinado há alguns anos. A personagem quer manter a obra inédita do escritor em segredo, enquanto o fã (Dane DeHaan) quer revelá-la ao mundo. Em meio a tudo isso, ela precisa lidar com a irmã catatônica e a irmã mais nova que só sabe gritar (Joan Allen e Jennifer Jason Leigh, desperdiçadas e sem ter muito o que fazer).

Pablo Larraín filma os oito episódios do programa com esmero (ajudado pela ótima fotografia de Darius Khondji, de “Seven” e “O Quarto do Pânico”, a música de Clark e a direção de arte que capricha nesse mundo imaginário). Mas o cineasta não consegue estabelecer tensão, suspense ou horror, muito menos criar uma dramaturgia que desperte algum tipo de empatia entre o espectador e os personagens. O que resta é a violência estilizada em meio a um ritmo lento que não engrena.

Lisey’s Story” é então uma grande decepção (ainda mais pelo nome de todos os envolvidos) que não sobrevive à própria pretensão.

Leia também:
Loki
Sessão de Terapia – Quinta Temporada
It’s a Sin
Solos
Manhãs de Setembro



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s